500 anos da reforma protestante: A forma

2016-06-30-niles-e

“Aqueles que não conhecem a história estão fadados a repeti-la.” Edmund Burke

Neste dia 31 de outubro celebra-se 500 anos da reforma protestante, mas o fato é que muitos não sabem o que foi esta reforma ou o porque ela aconteceu. Muitas vezes ignoramos nossa história, e como Edmund Burke diz na frase acima, acabamos a repetindo, e isso está acontecendo, a igreja tem repetido os mesmos erros, e os cristãos tem se deixado levar por falta de conhecimento da Palavra e também da história.

O primeiro fato é que para existir uma reforma, primeiro existiu uma deforma, e para tal precisava existir uma forma. E vamos começar por ai:

  1.  Qual era a forma, modelo de igreja a nós apresentado na bíblia?  

E perseveravam na doutrina dos apóstolos, e na comunhão, e no partir do pão, e nas orações.Atos 2:42

O segundo livro escrito por Lucas, Atos, nos deixa esse norte, esse modelo de igreja, a igreja do primeiro século, e no versículo acima temos os traços dessa igreja:

 

  • Perseveravam na doutrina dos apóstolos, perseverar, permanecer, conservar, persistir, essa era a atitude da igreja primitiva em relação a doutrina dos apóstolos. Mas qual era a doutrina dos apóstolos?

 

“Porque a palavra da cruz é loucura para os que perecem; mas para nós, que somos salvos, é o poder de Deus. Porque está escrito: Destruirei a sabedoria dos sábios, E aniquilarei a inteligência dos inteligentes. Onde está o sábio? Onde está o escriba? Onde está o inquiridor deste século? Porventura não tornou Deus louca a sabedoria deste mundo? Visto como na sabedoria de Deus o mundo não conheceu a Deus pela sua sabedoria, aprouve a Deus salvar os crentes pela loucura da pregação. Porque os judeus pedem sinal, e os gregos buscam sabedoria; Mas nós pregamos a Cristo crucificado, que é escândalo para os judeus, e loucura para os gregos. Mas para os que são chamados, tanto judeus como gregos, lhes pregamos a Cristo, poder de Deus, e sabedoria de Deus. Porque a loucura de Deus é mais sábia do que os homens; e a fraqueza de Deus é mais forte do que os homens.”
1 Coríntios 1:18-25

“E a minha palavra, e a minha pregação, não consistiram em palavras persuasivas de sabedoria humana, mas em demonstração de Espírito e de poder;
Para que a vossa fé não se apoiasse em sabedoria dos homens, mas no poder de Deus.”
1 Coríntios 2:4,5

Cristo, seu nascimento, vida e ensinamentos, sua morte e ressurreição, essa era a mensagem dos apóstolos, Cristo e somente Cristo, não a sabedoria humana, não o que o coração do homem desejava ouvir, mas a verdade que não uma coisa subjetiva, mas sim uma pessoa Jesus Cristo aquele que é o caminho a verdade e a vida (Jo 14:16).

 

  • Perseveravam na comunhão, aqui o termo comunhão não faz menção a uma reunião específica, mas sim a várias atitudes como:

 

“Amai-vos cordialmente uns aos outros com amor fraternal, preferindo-vos em honra uns aos outros. Não sejais vagarosos no cuidado; sede fervorosos no espírito, servindo ao Senhor; Alegrai-vos na esperança, sede pacientes na tribulação, perseverai na oração;
Comunicai com os santos nas suas necessidades, segui a hospitalidade. Abençoai aos que vos perseguem, abençoai, e não amaldiçoeis. Alegrai-vos com os que se alegram; e chorai com os que choram; Sede unânimes entre vós; não ambicioneis coisas altas, mas acomodai-vos às humildes; não sejais sábios em vós mesmos; A ninguém torneis mal por mal; procurai as coisas honestas, perante todos os homens. Se for possível, quanto estiver em vós, tende paz com todos os homens.”
Romanos 12:10-18

“Porque vós, irmãos, fostes chamados à liberdade. Não useis então da liberdade para dar ocasião à carne, mas servi-vos uns aos outros pelo amor. Porque toda a lei se cumpre numa só palavra, nesta: Amarás ao teu próximo como a ti mesmo. Se vós, porém, vos mordeis e devorais uns aos outros, vede não vos consumais também uns aos outros.”
Gálatas 5:13-15

Tal comunhão não se pode ser alcançada por eventos, com estratégias, com dinâmicas, mas sim pela vida de comunhão com Cristo. Se estivermos próximos de Cristo, conseguimos estar próximos  uns dos outros, em humildade, amor, serviço…

 “Se, porém, andarmos na luz, como ele está na luzmantemos comunhão uns com os outros” (1Jo.1.7a)

 

  • O partir do pão, essa expressão se referia a ceia do Senhor

 

“Porque eu recebi do Senhor o que também vos ensinei: que o Senhor Jesus, na noite em que foi traído, tomou o pão; E, tendo dado graças, o partiu e disse: Tomai, comei; isto é o meu corpo que é partido por vós; fazei isto em memória de mim. Semelhantemente também, depois de cear, tomou o cálice, dizendo: Este cálice é o novo testamento no meu sangue; fazei isto, todas as vezes que beberdes, em memória de mim. Porque todas as vezes que comerdes este pão e beberdes este cálice anunciais a morte do Senhor, até que venha.”
1 Coríntios 11:23-26

A igreja primitiva, zelava por não esquecer o sacrifício de Cristo, e estar em comunhão com Ele. Uma coisa interessante que devemos lembrar, é o contexto dessa igreja, a ceia não era algo fácil de ser realizado na época, autoridades interpretavam como ato de canibalismo, pelo fato do vinho simbolizar sangue e o pão a carne de Cristo, e acusavam os que participavam de tal prática os condenando a morte.

 

  • Perseveravam na oração, individualmente e também na coletividade, os cristãos primitivos oravam.

 

“Todos estes perseveravam unanimemente em oração e súplicas, com as mulheres, e Maria mãe de Jesus, e com seus irmãos.”
Atos 1:14

“E, ouvindo eles isto, unânimes levantaram a voz a Deus, e disseram: Senhor, tu és o Deus que fizeste o céu, e a terra, e o mar e tudo o que neles há; Que disseste pela boca de Davi, teu servo: Por que bramaram os gentios, e os povos pensaram coisas vãs? Levantaram-se os reis da terra,E os príncipes se ajuntaram à uma,Contra o Senhor e contra o seu Ungido. Porque verdadeiramente contra o teu santo Filho Jesus, que tu ungiste, se ajuntaram, não só Herodes, mas Pôncio Pilatos, com os gentios e os povos de Israel; Para fazerem tudo o que a tua mão e o teu conselho tinham anteriormente determinado que se havia de fazer. Agora, pois, ó Senhor, olha para as suas ameaças, e concede aos teus servos que falem com toda a ousadia a tua palavra; Enquanto estendes a tua mão para curar, e para que se façam sinais e prodígios pelo nome de teu santo Filho Jesus. E, tendo orado, moveu-se o lugar em que estavam reunidos; e todos foram cheios do Espírito Santo, e anunciavam com ousadia a palavra de Deus.”
Atos 4:24-31

Em diversas passagens de Atos, nos fica claro que a igreja perseverava em oração em meio a diversas tribulações que a afligiam. Oravam uns pelos outros, buscando encorajamento e fortalecimento (12:5), direção antes de tomar decisões (1:14), incessantemente oravam.

2.  Contexto da igreja primitiva

Muitas vezes criamos utopias em relação a igreja primitiva e desconhecemos seu real contexto que foi de perseguição durante aproximadamente 313 anos. Todos aqueles acusados de serem cristãos eram torturados e mortos, como por exemplo Estevão (Atos 7) que foi apedrejado até a morte. Tiago, um dos apóstolos, filho de Zebedeu, morto por Herodes Agripa I em 44 d.C (Atos 12). Tiago, irmão de Jesus,  autor da carta que leva seu nome, também fora apedrejado até a morte, no ano de 62 d.C. Paulo decapitado a espada, Pedro crucificado.

Mas porque essa perseguição? De muitas coisas os cristãos foram acusados naquela época, canibalismo, pela má interpretação do que simbolizava a ceia do Senhor, imoralidade, traição e obstinação por se negar a participar de práticas pagãs e adoração a césar. Para essas acusações o veredito era os tipos mais cruéis de tortura e morte. Uns crucificados, outros decapitados, queimados, devorados por animais.

“Consequentemente, para livrar-se da delação, Nero colocou a culpa e infligiu as mais terríveis torturas sobre uma classe odiada por suas abominações, chamada pelo populacho de cristãos. Christus, do qual o nome é originado, sofreu a pena capital durante o reinado de Pôncio Pilatos… Além de sua morte, houve zombarias de todo o tipo. Cobertos por peles de animais, eles foram rasgados por cães e pereceram, ou pregados a cruzes, ou condenados pelo fogo e queimados, para servir de iluminação noturna quando a luz do dia havia expirado. Nero ofereceu seus jardins para o espetáculo.”

Tácito (Historiador, orador, e político romano 55 d.C. à 120 d.C.)

Em 249 d.C as perseguições estavam mais brandas por quase meio século, porém a economia do império se encontrava em crise, o império não possuía toda sua glória, suas tradições estavam e desuso e quando Décio assumiu o governo em 250 d,C., como um romano tradicional supôs que tudo isso era resultado do abandono ao culto dos seus deuses, em decorrência ao aumento do número dos cristãos neste meio século em que a perseguição era mais branda. Então com intenções políticas e não mais por velhos rumores acerca das práticas dos cristãos, Décio promove a mais cruel perseguição que a igreja já havia conhecido.

Seguindo de forma diferente, Décio não estava querendo levantar mais mártires, pois 50 anos atrás Tertuliano havia dito que o sangue de mártires era semente, pois quanto mais se derramava, mais cristãos havia. O império agora queria criar apóstatas, para isso foi instaurado que todos deveriam fazer oferenda aos deuses, um sacrifício, e quem fizesse esse sacrifício ganhava um libelo, documento que atestava que haviam feito o sacrifício, e quem não possuísse esse documento seria tratado como criminosos. Muitos cristãos apostataram e ofereceram o sacrifício, outros com artimanhas forjaram  o documento, e sim tiveram aqueles que permaneceram firmes e enfrentaram as torturas, estas que agora não terminavam em morte, mas levavam a morte pouco tempo depois.

Na próxima postagem vamos ver a segunda etapa, que é a deforma da igreja, que ocorre de forma mais acelerada quando a igreja para de ser perseguida. Mas que destes textos não possamos apenas extrair história e sim perceber que quando estamos firmados verdadeiramente em Cristo e seus ensinos podemos suportar as adversidades.

o vencedor herdará estas cousas, e eu lhe serei Deus e ele me será filho. Apocalipse 21:7

Emília Lazzaroni

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s